O ritmo do crescimento dos códigos de barra parece nunca diminuir. Isso é completamente compreensível, uma vez que surgem cada vez mais usos para essa tecnologia. Inicialmente restrita a supermercados e à produção industrial, os códigos de barras estão sendo incorporados aos mais variados segmentos. Nos últimos anos, há modelos exclusivos voltados para quem nunca sai da vista de nenhuma empresa: o consumidor.

No entanto, muita gente ainda se pergunta como exatamente funcionam os códigos de barra. O funcionamento do sistema em um caixa, por exemplo, é fácil de entender. Afinal de contas, todos nós já passamos pela experiência de ver um atendente voltar o leitor de códigos com uma luzinha vermelha para o produto que chegou até o balcão.

Quem é mais curioso se faz ainda mais perguntas. É interessante saber exatamente como funciona a codificação de cada número, ou o que representa cada barra. Se você compartilha essa curiosidade, este artigo é para você.

 

Quais as utilidades de um código de barras?

Empresas com um grande fluxo de compra ou venda precisam manter o controle sobre cada item que entra ou sai de prateleiras. Isso facilita o processo de estoque, além de fornecer uma ideia precisa sobre os itens de maior circulação. Essa informação sempre permite que a empresa garanta uma quantidade maior dos itens mais populares em estoque. A maneira mais conhecida de fazer isso é contratar um repositor, que irá até as prateleiras com certa frequência a fim de repor a quantidade vendida, ao mesmo tempo em que faz anotações para dar a baixa dos produtos. Basta procurar espaços vazios.

Também é possível fazer esse controle no caixa, a partir do registro dos itens comprados pelos clientes. Essas informações seriam repassadas ao estoque para avaliação. Ambos os sistemas são manuais, e funcionariam perfeitamente bem para empresas pequenas ou médias. No entanto, manter essa estrutura em organizações maiores, como redes de supermercado, é custoso e propenso a erros. Pessoas cometem erros, e isso é natural. No entanto, o resultado de erros frequentes pode ser desastroso para o controle geral do negócio.

Há ainda outro problema em insistir em sistemas manuais, desta vez referente aos preços. É muito fácil trocar as etiquetas de produtos. Além disso, é sempre uma tarefa dispendiosa trocas ar etiquetas de todos os itens da loja quando os preços são alterados. No caso de promoções de produtos, por exemplo, é preciso que os funcionários se lembrem da diferença de preço na hora de passar as compras do cliente.

A tecnologia de código de barras no âmbito comercial veio para ajudar a resolver todos esses problemas, permitindo a manutenção de um registro centralizado e muito mais seguro, uma vez que usa dados de computador. Os preços poderão sofrer mudanças automáticas sem a necessidade de colocar novas etiquetas em cada item da loja. O estoque pode ser controlado e reorganizado com apenas alguns comandos. Uma tecnologia tão precisa reduz consideravelmente a incidência de erros.

 

Os números de 0 a 9 representados nos códigos de barras

O funcionamento de um código de barras é, na verdade, muito simples. Cada item recebe um número único, que contém todas as informações desejadas para o produto. A partir da geração do código de barras, basta imprimir o número do item para que um dispositivo eletrônico de leitura acesse os dados contidos no código de barras.

Por muito tempo os números seriais, ou de série, foram usados para essa finalidade, sem nenhuma barra na etiqueta. No entanto, números decimais são fáceis de serem confundidos. Por exemplo, um quatro com problemas de impressão poderia parecer um novepara o computador ocupado em decifrá-lo, enquanto um três pode passar por um oito se a tinta de impressão estiver borrada. Tais erros de leitura poderiam fazer com que o cliente tivesse que pagar mais por um produto, ou que a empresa acabasse por vender um item por um preço muito abaixo de seu valor real. Por isso, surgiu a necessidade de um método mais confiável para a reprodução de números, a fim de garantir alta precisão com rapidez mesmo no caso de rótulos danificados. Foi para suprir essa demanda que os códigos de barra chegaram ao mercado.

O significado de um código de barra não parece nem um pouco acessível à primeira vista. Pode ser bastante difícil estabelecer o limite de um número ou de outro. Não se deixe enganar, porém. A estrutura desses dados é bastante simplificada, mesmo com a infinidade de usos da indústria atual. Cada dígito do número exclusivo de produto recebe a mesma quantidade de espaço horizontal: sete unidades, de modo invariável. Para representar qualquer número, do zero ao nove, basta gerar cada uma das sete unidades de espaço com um padrão diferente de listras em preto e branco. Cada número recebe, então, o seu padrão. Quando combinados todos os dígitos, é gerado ao mesmo tempo um padrão reconhecível pelos leitores digitais e um código de identificação único.